''As histórias do Barbeiro da Lapa, 'Seo Abbéis', meu avô''

Família

Seo Abbas Salim Abdul-Khalik, ali na foto ao lado de minha mãe,  nasceu na pequena aldeia de Majdel-Baana no distante Líbano, que saiu da sua terra natal e foi morar nas Ilhas Canárias, na Espanha, veio ao sonho brasileiro, casou-se com a linda Erna Pasche, uma alemã versão feminina do Procurador Rodrigo Janot, que fazia empadões de fazer a gente se empanturrar de tanto comer e kibes saborosos e tiveram os filhos na Lapa-Pr. terra de Seo Ivo Pierin e família, que migrou junto com seu irmão, João, para  as terras da gente de nós, Paranavaí.
Meu avô foi Barbeiro a vida toda! Ele fazia as barbas na humilde sala e minha avó cobria botões para os vestidos das mocinhas lindas da Lapa. Seo Abbéis, como era chamado, pai de minha mãe, Latif Salin-Artista Plástica, de Jalile e Farith, e pai do coração de Chafier, morreu na Lapa, morreu brasileiríssimo sem falar português!Ele falava um castelhano misturado ao árabe…ele não lia…ele não escrevia..ele foi apenas um Barbeiro…minha avó…foi o rosto mais doce que já pude ver e os olhos mais honestos que conheci…
Meu avô, nascido Druzo, pegou os jeitos dos Cristãos e até compadres ele tinha…ele foi apenas um barbeiro que falava; ..bode falar, a senior veio fazer o barba?”
Meu Abbéis, avô, Barbeiro da Lapa, certa vez comprou um corte de tecido para um terno fazer…conta minha mãe, que o pacote com o tecido ficou guardado no guarda-roupas por meses até que ela, Latif, perguntou o por quê do tecido estar guardado…vô Abbés assim respondeu;”…nós combrou no loja Bernanbucanas, mas nos combrou brá bagar por mês e ainda falta dois bresdaçom, dois bagamentos, brá nos ser dono daquele bano de fazer terno”. Tadinho do meu ”Abéis -pastéis-tira -1-e-deixa-10”, era tão amoroso que parecia, no seu jeito de cativar, com o falecido Seo Djalma, das Pernambucanas de Paranavaí, que cumpria sua cota de vendas e  vendia o resto do mês para acudir colegas apertados ou doentes. Meu avô foi apenas um Barbeiro…
Inculto, sem ter tido a chance de ‘garrar’ mão de uma ”Caminho Suave” na infância, e pobre dele Barbeiro que nem conheceu as bombas de Seo Mário Suga, era pessimista….ele dizia que;” há continuar a falta de atenção com a política-partidária e a falta das cobranças por parte do povo com o que faziam seus eleitos, o BRASIL ESTAVA EM RUMO INCERTO, MAS CERTAMENTE DESASTROSO”….meu avô…..meu avô não sabia das linhas agrupar as letras…Abbés era apenas o Barbeiro da Lapa…
Dizia ele ter ouvido de um ”batrício”, que um tal Rui Barbosa profetizava que ”chegaria o dia em que a honra fosse motivo de se ter vergonha e a honestidade, faria ele ter pudor de sair às ruas”….e ele…ele acreditava…ele era apenas  Barbeiro!
Meu avô Abbés me fez lembrar que eu tenho um filho honrado chamado Jaffer, com os olhos de Janot da Vó Erna e um filho chamado Abbés, que não foi e nem é Barbeiro da Lapa, mas são ”ambos, bisnetos do barbeiro que não versava versos em prosas e achava das linhas escritas, belos desenhos, e são honestos tanto quanto manda a Lei, serem Homens de Bem”
Eu sou neto do Barbeiro analfabeto em três idiomas, morador de três Pátrias, e honesto em todas elas!!!
Em memória dos tempos em que se discutia o futuro do Brasil, nas Barbearias e nos salões de café E NÃO NAS CELAS DA LAVA JATO!
Gabriel Esperidião Neto-do Barbeiro da Lapa!

4 thoughts on “''As histórias do Barbeiro da Lapa, 'Seo Abbéis', meu avô''

  1. Suas linhas cheias de palavras ternas me fez viajar até a casa de seus avós, que minha mãe amiga de sua família constantemente ia visitá-los…mais que depressa eu corria para a barbearia…ficava curiosa pelas cadeiras e espelhos…seu avô me colocava na cadeira e girava e sempre passava aquela escova macia no meu rosto…e eu olhando no balcãozinho…alí estava minha fascinação…uma rosa mergulhada na água dentro de um vidro redondo…ficava com os olhos arregalados e uma felicidade invadia meu rosto… Seu avô nunca me mandou embora, ele sorria e chacoalhava o video para que eu visse melhor a rosa dentro do vidro… Seu avô foi um bom homem, um exemplo de cidadão e uma das almas mais generosas que eu conhecí.
    Um terno abraço.

    1. Eu estou Lendo seu comment para publicá-lo, e chorando, mas choro de alegria, saudades e de contentamento! Pois eu sou apenas um gabriel, ou melhor, Gabriel Esperidião, NETO[DO BARBEIRO DA LAPA, Seo ABBÉIS] Obrigado, e, genuflexo oro pelas bençãos de suas palavras, pois creio tentar ser, nessa Dispensação Humana, um ser que valha algo, para poder rever Vô Abbas e Vó Erna, nas cpxilhas do Grande Arquiteto do Universo!
      D. Sonia, meu avô dizia em árabe, ”Ahllau sahlau” e eu lhe digo o mesmo em protuguês; ”Minha casa é sua casa”, e estarei sempre à sua disposição!

  2. Seo Gabriel , maravilho texto, linda história. Sou lapeana, conheci dona Erna, cobri muitos botões com ela, minha mãe costurava, lembro bem da lojinha perto da pernambucanas.
    Nesta época já era uma loja de presentes, lembro da Jamile e suas filhas.
    Não conheci seo Abbés, acredito que faleceu muito cedo. Mas adorei conhecer sua história.

    1. Obrigado por suas palavras! Deus vos abençoe e cuide! E quando quiserem usar o Blog, contem comigo. Estou sempre à vossa disposição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *