Policia

POLICIA CIVIL-8ª SUBDIVISÃO PARANÁ – DELEGADO MANICA E EQUIPE CONCLUEM O INQUÉRITO DO ASSASSINATO DO Dr. FÁBIO W. TRANIN, E 3 SÃO INDICIADOS POR LATROCÍNIO

POLÍCIA CIVIL DE PARANAVAÍ CONCLUI INVESTIGAÇÃO E INDICIA PELO CRIME DE LATROCÍNIO OS TRÊS ENVOLVIDOS NA MORTE DE ARQUITETO.
A Polícia Civil concluiu nesta sexta-feira a investigação que apurou a morte do arquiteto Fábio Tranin, ocorrida no dia 29 de agosto último.
Os três envolvidos já se encontram presos temporariamente e foram indiciados pelo crime de latrocínio, que é o roubo seguido de morte.
No relatório final da investigação o delegado representou pela prisão preventiva dos três, o que fará com que eles respondam ao processo presos em caso de deferimento.
A conclusão foi de que dois indivíduos chegaram em uma moto e ingressaram na residência da vítima para roubar, enquanto um terceiro aguardava algumas ruas à frente para, de carro, dar fuga a um deles sem despertar suspeitas.
No entanto, pelas câmeras de segurança da casa, foi possível observar que a ação restou desastrosa e extremamente grave no momento em que um dos autores atingiu a vítima quando ela tentou fechar a porta dos fundos, deixando-o para fora, ocasião em que acabou levando um único tiro fatal.
Diante do imprevisto a dupla acabou fugindo sem nada levar.
Foi investigado também se funcionária que trabalhava para família da vítima na casa teriam  fornecido  informação aos autores, já que eles ingressaram no imóvel com disfarce, usando materiais de jardinagem, como se estivessem entrando para trabalhar no local, fato que para a polícia civil  demonstrou planejamento prévio para a prática criminosa.  Embora coincidentemente a funcionária ter cometido suicídio até o momento nenhuma prova conclusiva  confirma a suspeita como concreta. Contudo caso sejam revelados fatos novos até final julgamento tudo será enviado a justiça. Foi instaurado inquérito policial para apurar os motivos do suicídio.
O veículo usado na fuga foi identificado e apreendido pela polícia e, de acordo com a decisão judicial que assim determinou, será utilizado para pagar as custas processuais e futura indenização à família da vítima.