Agronegócio, Empreendedor

FIMAN: Maurício Gehlen, Presidente da ACIAP pede apoio ao ministro do Planejamento

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Paranavaí (ACIAP), Maurício Gehlen, esteve na tarde do último sábado com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, que veio a cidade para proferir palestra na 47ª ExpoParanavaí. Ele entregou um ofício pedindo o apoio do Governo Federal para a realização da segunda edição da Feira Internacional da Mandioca, a FIMAN 2018. Gehlen explicou que a mandioca tem atraído capital estrangeiro e é atualmente a quinta cultura do campo.

A Feira será realizada de 20 a 22 de novembro deste ano, no Parque Costa e Silva, onde estava acontecendo a Exposição Agropecuária. Além da ACIAP são promotores do evento a Prefeitura de Paranavaí, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, a Sociedade Rural do Noroeste do Paraná, o Sindicato Rural de Paranavaí e o Centro Tecnológico de Mandioca.

O prefeito de Paranavaí, Delegado KIQ, e o presidente da Sociedade Rural, Mário Hélio Lourenço de Almeida Filho, acompanharam a entrega do documento reivindicatório, assim como o ex-prefeito Deusdete Ferreira de Cerqueira

Dyogo Oliveira gostou da iniciativa e afirmou que ações como estas ajudam o país ter um superávit ainda maior na balança comercial. Disse que iria analisar o pedido com muita atenção já que a proposta vem de encontro à política do Governo Federal de criar mecanismos de promoção do desenvolvimento econômico do país.

A FIMAN – A Feira, criada para ser bianual, terá este ano uma presença mais significativa de representantes estrangeiros. Os interesses maiores têm vindo de países da Ásia, como China, Japão, Tailândia, Indonésia, Tailândia e Singapura, entre outros.

Além da Ásia, estão sendo mantidos contatos também com possíveis expositores/visitantes dos Estados Unidos e da Europa (França e Inglaterra) e também do continente africano (Congo, Nigéria, etc). Na primeira edição, a África foi o continente com maior presença na FIMAN.

Esta segunda edição deve reunir cerca de uma centena de expositores e atrair cinco mil visitantes do Brasil e exterior. A meta é superar o volume de negócios da primeira, gerando R$ 100 milhões em negócios durante o evento e abrindo outras negociações.