Gratidão

Kaká Scarabelli – “Quando a humildade faz um Executivo brilhar por sí”

Escrevi esse Artigo pela necessidade que Paranavaí têm de dar vez e voz aos seus Intelectuais!

Tenho acompanhado de forma discreta o trabalho desde a Gestão Pública quando foi secretário do prefeito Rogério J. Lorenzetti aos dias atuais em que ele se dedica ao gerenciamento da ACIAP, seu voluntariado no Instituto Maurício Gehlen e seu amor incondicional pela Família e feliz plantonista das trocas de fraldas de sua recém-nascida filha, Mirella, além, claro, de que quando ele fala da D. Jaque, seus olhos brilham feito criança em loja de doces!

Humilde que só ele, é um senhor conselheiro, sempre apaziguador, centrado de fala equilibrada e das vezes que o vi, por lidas de ofício, diante de uma barafunda, ali conheci o Kaká gestor natural de crises, sem síndrome de holofotes e voltado a frutificar a perseverança para sepultar a dúvida. De ensinar ao próximo, que a raiva e seu adutor consequente, o ódio, são peculiaridades desnecessárias e improdutivas. Dos atos que dele ouvi ou presenciei, vejo uma inspiração conhecida e extremamente positiva, aplicáveis diretamente aos difíceis dias que vivemos;

“A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.”

Santo Agostinho

Aqueles que acreditam em prosperidade para Paranavaí, anotem bem este nome; Kaká Scarabelli-e esses tais dias melhores, que chamamos ”futuro” podem estar batendo em nossas portas!

De algumas oportunidades que ele pôde me receber para aquilo que eu considero ”aulas brilhantes”, marcou-me acentuadamente quando da ocasião em que, começando o blog, as dificuldades se agigantavam, minha saúde não ajudava e alguns tinham o capricho de me atirarem pedras ”e ele paciente ouviu-me. De olhar acérrimo, Kaká demonstrava atenção algumas vezes recordava de um dizer meu, na terceira, quarta ou quinta frases que eu houvera dito (capacidade de Intelectuais para demonstrarem ao que lhes fala, afetuosidade e sensibilidade)e, ao final, ele me ofereceu água, meu deu um tapinha no ombro e assim disse; “Gabriel meu amigo, o povo só atira pelota pesada em árvore carregada de bons frutos”…..PIMBA, EU DEI UM SORRISO DE ALEGRIA – ERA, SEM SOMBRA DE DÚVIDAS, O INCENTIVO QUE ME FALTAVA- “FALTAVA”!

Jamais a minha condição autista fez com que o Kaká me tratasse com coitadinho ou digno de pena. Ele sabe que os asperger´s são pokemons, mas que são juridicamente capazes e respondem por seus atos [e Escritos] e sempre demonstrou grande respeito, no que sei que também fui recíproco, mas sei sim da gratidão que tenho a ele, por sua AMIZADE!!

Gabriel Esperidião Netto