Policia, Política, Violência

Após PM reprimir caminhoneiros, Cida Borghetti afastou comandante do batalhão de Ponta Grossa-Pr.

Coronel Edmauro Assunção foi retirado do comando do Batalhão de Ponta Grossa. Tropa de choque disparou bombas de gás contra manifestantes

PMs marcham contra manifestantes em Castro: ação provocou afastamento de comandante. | Reprodução/Youtube
PMs marcham contra manifestantes em Castro: ação provocou afastamento de comandante. Youtube
A governadora do Paraná, Cida Borghetti (PP), determinou o afastamento do tenente-coronel Edmauro de Oliveira Assunção, que comandava o Batalhão da Polícia Militar (PM) de Ponta Grossa, nos Campos Gerais. A medida ocorreu em razão de uma operação deflagrada na manhã desta quarta-feira (30), na PR-151, em Castro, na qual policiais da tropa de choque usaram bombas de gás para reprimir caminhoneiros que estavam mobilizados naquele trecho .

Em texto publicado em sua conta oficial no Facebook, Cida afirmou que “infelizmente, houve um conflito entre policiais e manifestantes” e destacou que não autorizou nem compactua com nenhum tipo de violência. A governadora também postou um vídeo em que declarou que “as forças de segurança estão nas ruas para garantir a segurança dos caminhoneiros e trabalhadores, que estiveram nesse período na manifestação legítima da sua classe, e estão retornando ao trabalho”.

Cida também informou que determinou à PM a instauração de procedimento administrativo disciplinar contra o coronel, para apurar eventuais responsabilidades e excessos. O batalhão de Ponta Grossa será comandado interinamente pelo major Jonatas Boaventura Schulli. A nota emitida pelo governo não informa onde o coronel Assunção permanecerá, nem por qual período de tempo ele ficará afastado.

Na operação, vídeos mostram a tropa de choque marchando em direção ao local onde os caminhoneiros estavam e, em seguida, disparando contra eles. No local, havia não só motoristas de caminhão, como populares que manifestavam apoio à paralisação. Não há informações sobre eventuais feridos na ação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *